PONTO FINAL... Por Jac Bagis

Ponto Final


Seu bisavô morava na Ucrânia e por causa da guerra e da fome fugiu para o Brasil vindo em um navio com a sua jovem esposa. Fincaram suas raízes do Sul do país e vieram os filhos, netos, bisnetos... A família cresceu.

Dessa descendência ela nasceu. Família grande cresceu no meio de irmãos e irmãs, primos e primas. Brincava com pé no chão, amava os estudos e sonhava em ser uma princesa que um dia seria casada com um príncipe encantado que cavalgava em um cavalo branco.

Mas nem tudo eram flores. Aos nove anos começou a sofrer ataques de um pedófilo dentro de casa: o próprio avô, pai de sua mãe. No começo, ela não entendia o que estava acontecendo, mas sabia que tudo aquilo não era normal. Sempre ameaçada que se um dia contasse para alguém, além de ninguém acreditar ela ainda morreria. E assim permaneceu calada até os 13 anos quando engravidou. A notícia caiu como uma bomba na família que queria a todo custo saber quem era o pai daquele bastardo e sob as ameaças de seu pai disse toda a verdade. É, ninguém acreditou... Como o avô abusaria da neta, da própria neta?

Com a surra que levou do pai chegou ao fim a gravidez de quatro meses. Depois disso ela não sofreu mais abusos do avô, mas passou a ser assediada por outros homens, inclusive da própria família. Não recebia mais o carinho dos pais, os outros parentes a evitavam e ela sofrendo muito com tudo isso. Tentou fugir de casa, mas pensou: “Para onde irei? Como vou me sustentar?”... E continuou estudando e pensando em um jeito de sair daquele olho do furacão. Prestes há completar 18 anos, viu um anuncio numa revista “Americanos querem se casar”. Pensou que aquela poderia ser sua saída e com a conivência de uma amiga tirou fotos, enviou e esperou. Um americano entrou em contato e ela resolveu contar tudo o que aconteceu pra deixá-lo logo a par de tudo. Ele consentiu em ajudá-la, às escondidas, porque ela não queria que a família soubesse ou sonhasse. No dia em que casou, deixou uma carta de despedida e foi embora sem olhar para trás.

Casou, teve a sua lua-de-mel em Copacabana, tirou os passaportes e foi embora para os Estados Unidos. Apesar de seu marido ter quase a mesma idade de seu pai, eles tinham a mesma cabeça e uma ótima sintonia. Foi se apaixonando aos poucos por aquele homem e aos poucos tentando se livrar do seu passado.

Um ano depois, estavam morando na Cidade Luz, Paris. Voltou a fazer o que mais gostava: estudar! E estudou em uma das mais renomadas universidades de Paris. O marido sempre a mimava com jóias, roupas, cosméticos, viagens... Mas de vez em quando sua lembrança voltava ao Brasil: “Como será que está a minha família? Como será que vão meus amigos?”. Decidiu fazer uma busca pela internet através das redes sociais, fez algumas amizades virtuais e conseguiu notícias de sua família através de uma amiga antiga. Conversando com o marido, decidiram viajar ao Brasil e tentar se reconciliar com a família, pois sentia muita falta principalmente da mãe.

Dias antes de embarcar, seu marido teve um infarto fulminante. Sentiu o chão sair debaixo dos seus pés. E agora? Agora se viu sozinha novamente... Sozinha mas grávida. Depois de anos fazendo tratamento havia conseguido engravidar e agora não teria mais o companheiro por perto pra curtir a gravidez. Duas semanas depois, ainda muito triste e deprimida com a viuvez, voltou ao Brasil. Hospedada em um hotel, ensaiava várias vezes em frente a um espelho como se ele fosse seus pais. Se aproximou de uma tia que se incumbiu de realizar um jantar com a família para que ela tivesse um “retorno triunfal”, resolveu passar na casa de uma amiga que era “virtual” para conhecê-la pessoalmente, pediu boa sorte e foi. Foi horrível! Seu pai a tratou como um lixo humano, a chamou de mulher da vida, vendida... Proibiu a mãe de beijar a filha que não era mais a filha deles, que se ela tido ido embora com um estrangeiro que ficasse por lá mesmo. Nem sequer a barriguinha crescida da filha tocou aquele coração de pedra.

Então, ela foi embora. E esse embora não foi para a França ou Estados Unidos, foi o embora pra sempre, um ponto final. Deprimida e chorosa, sozinha no mundo não conseguiu reagir, encontrar um refúgio ou uma porta de escape. Naquele momento pra ela a única solução era a morte. Parou o carro no estacionamento de um lugar onde as pessoas faziam caminhada e ali deu fim à sua vida, com um coquetel de calmantes e chumbinho. Nem o filho que carregava no frente foi suficiente para que ela não cometesse essa loucura.

E então a família se reuniu toda pela ultima vez, para enterrá-la. A mãe dizia: “Ah, se eu soubesse! Eu teria corrido em sua direção e lhe daria toda a atenção e carinho que ela precisava... minha filha, não vou mais tê-la aqui comigo...”. O arrependimento veio e com certeza o remorso também.

A depressão mexe muito com a cabeça de uma pessoa a ponto de querer tirar a própria vida. Alguns podem dizer que é um ato de coragem, outros de covardia, mas a verdade é que esse ponto final não é o final. Todos nós somos dotados de corpo, alma e espírito e a nossa vida não se resume ao que vivemos aqui. Todas as religiões defendem algo sobre a vida após a morte, e todas juntas afirmam que o além para aquelas pessoas que se matam não é boa. Devemos sim amar a vida, é um presente de Deus para todos nós. Se você está em depressão, procure ajuda. Se você conhece alguém nesta situação, ajude. Muitas vezes estamos no fundo do poço só esperando alguém nos estender a mão para sairmos de lá. Reflita! Bjs...

Categories:

5 Responses so far.

  1. Poxa, que post!! Bem perdi uma amiga há uns 3 anos atrás, vitima de suicidio, foi um choque, pois ela tava fazendo tratamento e tudo mais, mas é complicado demais essa situação, já fiz um post sobre esse assunto, que acho dificílimo....olhos atentos é sempre importante, pena que as vezes não seja suficiente....beijocas

  2. Hellyanna says:

    O que eu vou falar ou escrever pra ti amiga

    se neste momento a única coisa que sai de mim são lágrimas.......

    pela história sim......

    mas por mim tb.....

    desculpa.....

    bjs

  3. Oi querida, tudo bem?
    Sou sua seguidora e gosto muito do seu blog!
    Ta rolando um sorteio no meu blog http://monicabosquetti.blogspot.com/2010/06/1-sorteio-aqui-do-blog-artesanato-em.html
    Você está convidada a participar!
    Beijo e tenha um bom dia

Leave a Reply

Comentários são muito bem vindos, sempre, a opinião mesmo que contrária será sempre respeitada. Porém aqueles que fugirem às regras do respeito mútuo não serão publicados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.